A Segurança Pública tem que ser de verdade

Falta de água, educação, transporte público, tem muita coisa tirando o sono do povo paulista e não podemos esquecer de incluir nesta lista uma das mais críticas: a segurança pública

15 de abril de 2014

Por Alencar Santana Braga

Falta de água, educação, transporte público, tem muita coisa tirando o sono do povo paulista e não podemos esquecer de incluir nesta lista uma das mais críticas: a segurança pública.

A-Segurança-Pública-tem-que-ser-de-verdade (1)

É perceptível o aumento da violência no Estado de São Paulo. Cada dia um fato novo, se não na TV, na vizinhança ou dentro de casa. Os números também tornam-se cada vez maiores. Nos primeiros oito meses de 2013 houveram 8.460 casos de estupros e até setembro 3.525 pessoas foram vítimas de homicídios. E não para por aí. Comparando o último trimestre de 2012 com o de 2013, houve um aumento de 26,6% nos sequestros, 26,2% nos roubos de veículos, 17,9% de  roubos em geral e 15,4% os latrocínios.

O curioso é que o governo do Estado de São Paulo atribui os aumentos dos índices de violência às novas possibilidades de registro do boletim de ocorrência pela internet.

Ora, se isso é mesmo real, então a polícia não trabalha com situações verdadeiras. Então há uma confissão de que o que há registrado oficialmente está bem abaixo do real, inclusive os números citados acima.

O que acontece é que muitas são as vezes em que as pessoas não prestam queixas por constrangimento, medo, etc., e também pelas precárias instalações das delegacias e o péssimo atendimento ao cidadão. E quanto mais periférico o lugar mais ruins as condições de atendimento à vítima. Basta compararmos as delegacias do Itaim Bibi e do Itaim Paulista, enquanto a primeira é boa, a segunda é péssima. O mesmo ocorre com as demais delegacias instaladas nos bairros mais distantes do centro da Capital ou das cidades vizinhas. As de Guarulhos são outro exemplo.

O fato é que a violência em São Paulo precisa ser combatida e diminuída.

A última do governador foi “aumentar em 14 mil o efetivo de Policiais Militares na rua”. A mágica foi apenas considerar os profissionais da área administrativa que trabalham dentro do quartel, como atendentes do 190, mecânicos, pessoal do RH e almoxarifado e logística, serviço de justiça e disciplina, setores de planejamento e tecnologia, e assessores de imprensa como se estivessem patrulhando nossas ruas, mesmo atuando dentro do quartel. Enganando o povo paulista com números falaciosos.

Sim, precisamos de mais policiais nas ruas, mas que sejam de verdade, atuando para que você cidadão seja protegido da violência. E também de policiais preparados, que atuem com respeitos ao cidadão e sem arbitrariedades.

É necessário investir de maneira ativa para conter o aumento da criminalidade, dando condições de trabalho aos profissionais e valorizando-os. No ano passado foram investidos 11% menos do que o previsto.

Que o governo do Estado aja de maneira transparente e séria na condução da política pública, falando a verdade ao cidadão e assumindo as devidas responsabilidades. Esse será o primeiro passo para avançarmos nas soluções dos problemas.

*Alencar Santana Braga é advogado, deputado estadual e presidente da Comissão de Infraestrutura da Assembleia.

 

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *