Destaques-listaNotíciasA cada nova proposta, um novo pretexto em defesa do elitismo e do corporativismo

Quando se quer resolver um problema grave como o da saúde, buscam-se soluções, como fizeram os diretores de faculdades de medicina, a Associação Brasileira de Educação Médica e o grupo de especialistas que chegaram a um acordo com o governo, ao contrário da posição sectária do CFM, lamentável.
8 anos ago246

Quando se quer resolver um problema grave como o da saúde, buscam-se soluções, como fizeram os diretores de faculdades de medicina, a Associação Brasileira de Educação Médica e o grupo de especialistas que chegaram a um acordo com o governo, ao contrário da posição sectária do CFM, lamentável.

Por Blog do Zé Dirceu

 

A reação do vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) à nova proposta do governo sobre a residência médica é uma prova do caráter de oposição pura e simples e do movimento de resistência a qualquer mudança no status quo da categoria.

Ontem, o governo anunciou que, em lugar de ampliar o curso de medicina de seis para oito anos, os dois anos a mais serão aproveitados como residência médica, que hoje não é obrigatória.

No primeiro ano, a atuação será necessariamente no setor de urgência e emergência de uma unidade do SUS. No segundo ano, o recém-formado escolhe em que área atuar.

O vice-presidente do CFM, Carlos Vital, disse temer que a residência médica se torne um “disfarce” para um serviço civil obrigatório. Para ele, “residência em posto de saúde para atenção básica sem supervisão não é residência, é serviço civil apresentado de outra forma”.

É um sinal do nível de elitismo e corporativismo da entidade, que espero não seja compartilhado pela maioria dos médicos.

Recusar-se a fazer residência médica em unidades do SUS é um atestado de total insensibilidade social e uma prova cabal dos objetivos da entidade: a defesa exclusiva do interesse corporativo dos médicos que representa.

A cada nova proposta, um novo pretexto. Agora, é a de que a residência no posto de saúde não terá supervisão. Quem disse isso a ele? Se é residência, é evidente que terá.

Em busca de soluções

Quando se quer resolver um problema grave como o da saúde, buscam-se soluções, como fizeram os diretores de faculdades de medicina, a Associação Brasileira de Educação Médica e o grupo de especialistas que chegaram a um acordo com o governo, ao contrário da posição sectária do CFM, lamentável.

Registro aqui também a mudança de comportamento da mídia, mais uma, totalmente contrária a greves dos servidores públicos da saúde durante todos estes anos, e agora entusiasta no apoio à greve dos médicos. Uma greve puramente corporativa e elitista.

Só um pequeno detalhe: o serviço civil obrigatório é um ato patriótico e aceito socialmente e quase consenso político, quase uma imposição da consciência cidadã e uma imposição moral, em todas as democracias. Mas nossa classe médica parece viver segregada da maioria da população carente de serviços médicos que diz defender.

Endereço

Câmara dos Deputados
Gabinete 239
Fone: (61) 3215-5239

Escritório
Avenida Esperança, 720 – Vila Progresso
Guarulhos/SP
Telefones: (11) 2408-1274 | (11) 2408-5875

faça parte do nosso mandato

Receba nossos informativos por email e whatsApp