NotíciasPresidente do Metrô defende manutenção de contratos com a Siemens

Pacheco foi recebido pela Comissão de Infraestrutura prestar esclarecimentos sobre os contratos da estatal com a Siemens, empresa que delatou a cartelização e esquemas de superfaturamento e pagamento de propina em licitações do Metrô e da CPTM.
8 anos ago295

Por Imprensa PT Alesp

Ao ser questionado sobre os contratos do Metrô com a multinacional Siemens que admitiu fraude nas licitações com a companhia, o presidente do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, defendeu que não há motivos para rompê-los. “Do ponto de vista da companhia não há nenhum fato que possa levar a companhia a uma ação qualquer de interrupção desses contratos”, afirmou durante audiência da Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa de São Paulo, nesta quarta-feira (4/9).

Pacheco foi recebido pela Comissão de Infraestrutura prestar esclarecimentos sobre os contratos da estatal com a Siemens, empresa que delatou a cartelização e esquemas de superfaturamento e pagamento de propina em licitações do Metrô e da CPTM.

Antes de iniciar sua exposição sobre o tema, Luiz Antonio fez uma longa apresentação, em uma manobra para ganhar tempo, sobre o acidente ocorrido na Linha 3 do Metrô, que, apesar de estar na pauta, não era o assunto principal que motivou o convite.

Em seguida, deputados governistas tumultuaram a reunião da Comissão de Infraestrutura com o claro objetivo de adiar o debate sobre o propinoduto tucano.

Na retomada da reunião, o deputado Gerson Bittencourt questionou o presidente do Metrô se, apesar de pouco tempo no cargo, ele detinha as informações pertinentes à denúncia da Siemens ao CADE. Luiz Antonio se limitou a dizer que, preocupado com outros assuntos, não teve curiosidade de se aprofundar nos contratos citados.

Há cerca de dois meses à frente do Metrô Luiz Antonio Pacheco afirmou aos deputados que soube pela imprensa a respeito das denúncias feitas pela Siemens e que não teve curiosidade de apurar mais informações a respeito do assunto. “Não tive acesso aos documentos, não tive curiosidade”, afirmou. “Esse cartel é um cartel internacional. Toda área de metroviária é uma área muito fechada. São poucas empresas”, disse.

Indagado pelo presidente da Comissão o petista Alencar Santana Braga, sobre a necessidade de investigação, o dirigente do Metrô concordou que os órgãos como o Ministério Público e o Tribunal de Contas tem feito apurações, mas recuou quando perguntado sobre a instalação de uma CPI na Assembleia para apurar as denúncias de irregularidades no Metrô e na CPTM.

Por vários momentos os deputados governistas tentaram obstruir a Audiência, chegaram a esvaziar a sessão da Comissão, numa tentativa de manobra regimental alegaram a falta de quórum.

Ao não emplacar o recurso, passaram a tumultuar e derrubar a sessão como meio de poupar o presidente do Metrô, dos questionamentos dos deputados da oposição. Esses movimentos não avançaram o receberam protestos dos deputados do PT, “Há uma denúncia grave que precisa ser apurada e a base governista não pode impedir que a Assembleia cumpra seu papel de fiscalizar o Executivo, ponderou Edinho Silva, presidente estadual do PT e deputado estadual.

Durante os debates e questionamentos sobre o superfaturamento e possíveis manipulações na licitação do Monotrilho, o deputado Adriano Diogo, presidente da Comissão da Verdade paulista, informou que Siemens foi uma das empresas alemã que financiou a ditadura militar no Brasil.

Desumano

Diante das tentativas de romper a Audiência e as resistências da Bancada do PT, a atividade se estendeu por quatro horas e, então, os governistas passaram a defender que a situação era desumana para com o presidente do Metrô.

Em contestação, adeputada Beth Sahão apontou que desumano era a situação de milhares de usuários do Metrô, que passam diariamente por situações de superlotação e panes no Metrô e mencionou o acidente que aconteceu na Linha 4 que resultou em 20 pessoas feridas.

Sócios

Na sua abordagem ao presidente do Metrô, o parlamentar petista, João Paulo Rillo, elencou uma relação de pessoas e indagou se Pacheco tinha alguma relação comercial com elas e se era sócio, qual o faturamento, entre questões.

Governistas reagiram com virulência e novamente buscaram meio de encerrar a Audiência. A falta de transparência na contas e nos contratos do Metrô foi cobrado pelos deputados José Zico Prado e Geraldo Cruz. Já deputado Antonio Mentor lembrou que a relação do grupo de empresas investigado iniciaram a atuação no Estado de São Paulo, na área da energia e mencionou os prejuízos da privatização da Eletropaulo aos cofres públicos.

1294247_583239175047918_1003828618_o

Endereço

Câmara dos Deputados
Gabinete 239
Fone: (61) 3215-5239

Escritório
Avenida Esperança, 720 – Vila Progresso
Guarulhos/SP
Telefones: (11) 2408-1274 | (11) 2408-5875

faça parte do nosso mandato

Receba nossos informativos por email e whatsApp